Pesquisa
Actualidade

Excesso de velocidade rende 45 milhões ao Estado

12:26 - 30-03-2021
 
Excesso de velocidade rende 45 milhões ao Estado

O excesso de velocidade continua a ser a infracção mais penalizada na estrada, de acordo com o relatório de sinistralidade e fiscalização rodoviária da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. 

Mais de 764 mil veículos foram apanhados pelos radares, no ano passado, a velocidades acima dos valores legais, segundo o documento divulgado na segunda-feira. 

É um aumento de 14,5% em relação a 2019, sendo também a infracção que mais subiu no último ano. 

As multas renderam cerca de 45,8 milhões de euros aos cofres do Estado, de um total de 83 milhões de euros relativos a 1,2 milhões de infracções várias. 

Cerca de 4,5 milhões de euros foram conseguidos com multas de condução sob o efeito de álcool. 

Carros sem seguro corresponderam a 8,2 milhões de euros de multas, enquanto viaturas sem inspecção obrigatória registaram 9 milhões. 

Multas por falar ao telemóvel enquanto conduz produziram 2,7 milhões de euros e 2,1 milhões por condução sem cinto de segurança. 

Os radares da ANSR foram os que mais "caçaram" condutores em excesso de velocidade, em redor dos 461 mil, correspondendo a uma subida de 31%. 

A GNR e a PSP apanharam 211 mil condutores, a que corresponde um aumento de 4%, enquanto a Polícia Municipal de Lisboa autuou 91 mil, menos 7,5% em relação a 2019. 

A fiscalização ao excesso de velocidade vai ser ainda mais apertada já que, aos 50 radares actuais da ANSR, dos quais 20 medem a velocidade média entre dois pontos, irão somar-se mais 30 de forma rotativa. 

Cassação de carta por pontos 

O relatório da ANSR revela ainda que 1.284 condutores viram o título de condução cassado (354 em 2020) desde a entrada em vigor, em 2016, da carta por pontos. 

Além disso, 1.715 condutores têm zero pontos na carta de condução, e 1.608 já têm o processo instruído, estando em fase de instrução os restantes 107 processos. 

O relatório mostra ainda que 242.241 condutores perderam pontos no título de condução. 

Recorde-se que, após perder a totalidade dos pontos, o condutor só fica sem a carta de condução depois de instaurado um processo autónomo administrativo. 

Para ficar definitivamente sem o título, terá de ser concretizada a notificação da cassação, desde que não seja tenha sido impugnada por via judicial. 

O relatório da ANSR indica a fiscalização de 2.363.641 automobilistas no ano passado, e o controlo por radar de 110.465.283 viaturas. 

O teste ao álcool, realizado a 1.126.495 condutores, levou à detenção de 19.997 indivíduos por consumo acima do legalmente permitido. 

Já segue o Aquela Máquina no Instagram?

Faltam 300 caracteres
Comentário enviado com sucesso
Subscrever Newsletter
pub
×
Enviar artigo por email

Restam 350 caracteres

×
Para poder adicionar esta notícia aos seus favoritos deverá efectuar login. Caso não esteja registado no site de Aquela Máquina, efectue o seu registo gratuito.