Pesquisa
RZ 450e: linhas arrojadas para primeiro 'eléctrico' de raiz da Lexus

Criado de raiz a partir de uma folha em branco: eis o Lexus RZ 450e, segundo modelo 100% eléctrico da insígnia japonesa.

O novo crossover partilha diversos elementos com os Toyota bZ4X e Subaru Solterra, a começar pela plataforma e-TNGA.

No entanto, é mais potente e imponente do que os seus dois "irmãos", sem esquecer o luxo e a tecnologia que o equipam.

Estilo reformulado

A estética é mais do que feliz neste primeiro exemplar construído de raiz para ser totalmente eléctrico… e bem diferente do que a Lexus tem na sua oferta.

Com um comprimento de 4,81 metros por 1,90 de largura e 1,64 de altura, o Lexus RZ 450e tem no baixo centro de gravidade um dos seus trunfos.

A arquitectura 100% eléctrica permitiu a reformulação (e suavização) dos códigos estilísticos da marca, embora não perca um pingo de desportividade.

A grelha dianteira mantém o típico desenho em forma de ampulheta mas agora completamente fechada.

A emoldurá-la estão as entradas de ar laterais, embora reduzidas à sua expressão mais simples, e os faróis com a assinatura luminosa da casa.

Os flancos estão visualmente bem trabalhados, e o espírito coupé bem vincado na inclinação do tejadilho e, principalmente, do vidro traseiro.

Atrás, uma faixa luminosa horizontal a ligar os farolins dá ao conjunto um efeito contrastante face à robusta porta da bagageira.

A personalização do crossover é conseguida pela pintura em dois tons mas com um arranjo bem mais diferenciador face à carroçaria monocromática.

Essa ideia começa nas duas aletas sobre a parte superior traseira, passando "incólume" pelo tejadilho mas, em vez de aí terminar, prossegue no capô para acabar na grelha

Interior refinado

O interior do Lexus RZ 450e está bem pensado e refinado, e os materiais usados são de boa qualidade e com bons acabamentos.

Um leve toque de cor teria trazido um pouco de alegria a um ambiente arrumado, mas demasiado convencional.

A distância entre eixos, a situar-se nos 2,85 metros de comprimento, oferece um espaço generoso a bordo para cinco pessoas.

Não foi revelada a capacidade da bagageira mas não deverá estar muito longe dos 452 litros do Toyota bZ4X.

Outra semelhança com aquele crossover está no painel de instrumentos e do ecrã táctil de infoentretenimento, que sobe para as 14 polegadas.

Como é lógico, estão presentes as tecnologias mais evoluídas de conforto e apoio à condução.

A luminosidade do tejadilho panorâmico pode ser configurada, enquanto a condução proactiva usa a câmara frontal para manobrar a direcção segundo o ângulo da curva.

Volante inédito

Não podemos deixar de assinalar o novo volante rectangular Steering Yoke, que também assinala a estreia do sistema One Motion Grip.

A ele está associado uma nova direcção electrónica steer-by-wire, sem ligação mecânica entre o volante e as rodas, e sem a coluna tradicional.

Além de tornar mais clara a visão sobre o painel de instrumentos, o volante pode ser rodado a uma rotação de 150 graus sem o condutor tirar as mãos dele.

Aliás, sendo objectivo da Lexus incentivar os potenciais clientes a optarem por esta solução exclusiva, as reservas para o crossover vêm com este volante.

Todavia, os primeiros exemplares chegam aos concessionários apenas na Primavera do próximo ano

Claro que há sempre a hipótese de optar pelo volante clássico, que estará disponível em Janeiro, mas ainda não é possível reservar essa opção.

Tracção integral com 313 cv

O Lexus RZ 450e conta com tração integral através de dois eixos eléctricos compactos e independentes.

O motor dianteiro desenvolve 150 kW (204 cv) e o traseiro 80 kW (109 cv) para uma potência e binário combinados de 230 kW (313 cv) e 435 Nm.

A tecnologia Direct4 distribui a potência e o binário de forma automática às quatro rodas, através de sensores que reconhecem parâmetros muito diferentes.

Aliás, essa distribuição pode chegar aos 100% à frente ou atrás numa questão de milissegundos.

O desempenho dinâmico está bem presente nos 5,6 segundos que demora a ir dos zero aos 100 km/hora, para uma velocidade máxima de 160 km/hora

O consumo deverá ficar abaixo dos 18 kWh/100 km segundo o ciclo combinado WLTP, embora a própria Lexus sublinhe que se trata do seu objectivo.

A bateria de iões de lítio de 96 células, com 71,4 kWh de capacidade, assegura uma autonomia acima dos 400 quilómetros. Terá uma garantia de dez anos, com a promessa de conservar 90% da sua capacidade após aquele prazo.

O carregamento de zero a 80% em corrente contínua a 150 kW, faz-se em 30 minutos, demorando sete horas em corrente alternada a 11 kW.

Já segue o Aquela Máquina no Instagram?

Faltam 300 caracteres
Comentário enviado com sucesso
Utils/
Subscrever Newsletter
pub
×
Enviar artigo por email

Restam 350 caracteres

×
Para poder adicionar esta notícia aos seus favoritos deverá efectuar login. Caso não esteja registado no site de Aquela Máquina, efectue o seu registo gratuito.