Pesquisa
Nichols N1A: 'roadster' inspirado no passado é tributo a Ayrton Senna

É mais um daqueles super desportivos que deixam de "cara à banda" qualquer aficionado pelo desporto automóvel.

O Nichols N1A é a nova obra-prima de Steve Nichols nesta homenagem aos bólides Can-Am muito leves, apoiados em gigantescos V8 atmosféricos.

A inspirá-lo está o McLaren M1A, que correu nas pistas de resistência entre 1963 e 1968, considerado o primeiro modelo construído de raiz pela insígnia britânica.

Ligeiro e elegante

Steve Nichols não é estranho ao mundo da competição automóvel ou não tivesse aquele engenheiro desenhado o McLaren MP4/4 com que Ayrton Senna conquistou o Mundial de pilotos em Fórmula 1.

Nada melhor, por isso, do que celebrar os 60 anos da insígnia britânica com uma reinterpretação moderna do McLaren M1A, e não tanto do monolugar… mas perfeitamente legal para ser conduzido em qualquer estrada.

O ‘roadster’ não pesa mais do que 900 quilos, à conta do abuso do alumínio e da fibra de carbono na estrutura do chassis, com este último material, combinado com grafeno, também a ser usado na carroçaria.

A realçá-lo ao olhar está o seu desenho ligeiro e elegante, com as curvas aerodinâmicas a terem sido acertadas num túnel de vento.

O tejadilho e o pára-brisas são inexistentes (só de capacete se pode conduzi-lo) enquanto um enorme arco de protege o habitáculo, emoldurado por guarda-lamas proeminentes e janelas estreitas.

Montado em posição central traseira está um enorme bloco V8 atmosférico de 7.0 litros, baseado no LS3 da Chevrolet mas especialmente desenvolvido pela Nichols Cars.

São 659 cv de potência passados às rodas traseiras através de um caixa manual de seis velocidades, para acelerações brutais ao mínimo toque no acelerador.

A suspensão é independente, com triângulos duplos e barras estabilizadoras, com os discos de travagem a estarem escondidos por jantes de 19 polegadas à frente e de 20 atrás, com pneus Michelin Pilot Sport Cup 2.

Obrigatório é o controlo de tracção, que é de série, mas a direcção assistida e a travagem ABS são soluções opcionais; afinal, em questão está o máximo prazer de condução com o mínimo de assistência ao condutor.

Fora com o digital

A bordo, o Nichols N1A adopta um painel de instrumentação próprio do carro de competição que é, rodeado de mostradores num estilo muito vintage.

Ecrãs sensíveis ao toque e outros dispositivos digitais não são bem-vindos neste roadster, com o desenho do punho da caixa de velocidades a ser um tributo a Ayrton Senna

O habitáculo, com um conforto muito espartano, é forrado a pele e Alcantara nos painéis e no tabliê, com pormenores em alumínio.

Com a produção dos 100 exemplares do Nichols N1A prevista para arrancar ainda este ano, as primeiras 15 unidades construídas à mão (e numeradas a preceito) irão equipar o bloco V8 de 7.0 litros e 659 cv.

Diversos detalhes exclusivos homenageiam as 15 vitórias em 16 provas que o McLaren MP4/4 conquistou às mãos de Ayrton Senna e Alain Prost no Mundial de Fórmula 1 de 1988.

Dificilmente qualquer um deles ficará abaixo dos 500 mil euros mas, para os menos abonados, há mais duas soluções motrizes para equipar os restantes 85 carros da série limitada.

A versão menos potente equipa um V8 com 466 cv derivado do motor LT1 da Chevrolet, e a variante intermédia, com o mesmo bloco, debita 527 cv.

Já segue o Aquela Máquina no Instagram?

Faltam 300 caracteres
Comentário enviado com sucesso
Subscrever Newsletter
×
Enviar artigo por email

Restam 350 caracteres

×
Para poder adicionar esta notícia aos seus favoritos deverá efectuar login. Caso não esteja registado no site de Aquela Máquina, efectue o seu registo gratuito.