Pesquisa
Celebração: Audi RS6 faz 20 anos sem perder um pingo da sua natureza selvagem

A história arranca em 2002, com a reformulação da gama a ser aproveitada para lançar um motor mais potente, após o sucesso em que se tornou o RS4.

Sob o capô da berlina e da carrinha estava um violento bloco V8 biturbo de 4.2 litros afinado pela Cosworth para debitar 450 cv e 560 Nm.

Pela primeira vez foi montada uma transmissão automática com conversor de binário para conseguir tempos de mudança de relação mais rápidos.

Com cinco modos de condução o RS6 acelerava até aos 100 km/hora em apenas 4,7 segundos, com a suspensão com Dynamic Ride Control a dar um importante contributo para um desempenho óptimo.

Não satisfeita com aqueles números, a Audi avançou com o RS6 Plus, uma variante bem mais poderosa que somava 480 cv de potência.

As melhorias resultaram no aumento de 250 para 280 km/hora a velocidade máxima, com o equipamento de série a ser mais completo.

Mais potente do que nunca

Seis anos mais tarde chega a segunda geração, que os especialistas apontam como a mais "selvagem" de todas.

O caso não é para menos ou não tivesse um V10 biturbo de 5.0 litros capaz de soltar 580 cv e 650 Nm, e com soluções próprias de um carro de competição.

Para assegurar o abastecimento de óleo em curvas a alta velocidade, a Audi recorreu à lubrificação por cárter seco.

O depósito de óleo independente permitiu instalar o motor numa posição mais baixa para reduzir a altura do centro de gravidade.

A transmissão automática de seis relações foi substancialmente reformulada para melhor arrefecimento, velocidade de passagem de caixa e distribuição de potência.

Quase sem surpresa, a RS6 Plus atingiu os 303 km/hora pela primeira vez, quando a velocidade máxima do RS 6 "convencional" era de 250 km/hora ou, opcionalmente, de 280 km/hora.

A versão Avant atingia os 100 km em apenas 4,6 segundos, mais uma décima do que a berlina, sendo ambos praticamente intocáveis nas acelerações em recta face aos rivais mais directos.

Os primeiros travões cerâmicos, com discos de 420 mm à frente e de 356 mm atrás, garantiam distâncias de travagem mais curtas e eram mais resistentes à fadiga.

E se esta solução era opcional, a suspensão Dynamic Ride Control passou a ser de série, sendo opção a unidade de ajuste dos amortecedores com três afinações distintas.

Entrada na era moderna

A "era moderna" do RS6 surge em 2013, com a terceira geração a excluir a berlina da gama e a passar a contar apenas com a variante Avant.

Foi também o regresso do V8 biturbo de 4.0 litros mas devidamente afinado para oferecer 560 cv e 700 Nm, apoiado por uma nova caixa automática Tiptronic de oito relações.

Só precisava de 3,9 segundos para atingir os 100 km/hora para uma velocidade máxima a bater nos 305 km/hora.

Ao mesmo tempo, consumia menos 30% de gasolina do que o antecessor, resultante não só da redução de peso pelo uso intensivo de alumínio, mas também da tecnologia de desactivação de cilindros.

Nas situações de condução em que era exigida menor potência, o V8 biturbo "transformava-se" num quatro cilindros, com a suspensão pneumática adaptativa a passar a ser de série.

A Audi foi conseguindo extrair cada vez mais potência do V8 ao longo dos anos, com a potência a chegar aos 605 cv e o binário aos 750 Nm quando associado com a função overboost.

O RS6 Avant acabou por tornar-se um campeão de vendas da marca, e líder de mercado no segmento das station wagon de alto desempenho.

Chega a electrificação

Em 2019, entra em acção a quarta geração do RS6, com o motor V8 biturbo de 4.0 litros a desenvolver 600 cv e 800 Nm.

Estreia absoluta foi o sistema mild hybrid de 48 volt para melhorar a eficiência do sistema motriz: à RS6 Avant bastam-lhe 3,6 segundos para cumprir os zero aos 100 km/hora e 12 segundos para chegar aos 200 km/hora.

Mais equipado do que nunca, o comportamento dinâmico em curva tornou-se uma referência graças à integração da nova tecnologia de quatro rodas direccionais para melhorar a estabilidade a alta velocidade.

A estética saiu também reforçada face às propostas das anteriores gerações, com o tejadilho, as portas da frente e a porta da bagageira a serem os únicos elementos que partilha com o A6 Avant convencional.

A carroçaria é mais larga em 8 cm e o capô é exclusivo desta versão, com as jantes de 21 polegadas a serem de série, podendo optar-se pelas rodas de 22 polegadas.

No mercado nacional, o Audi RS6 Avant arranca nos 170.895 euros, contando de série com as jantes em liga leve de 21 polegadas com pneus 275/35, e bancos desportivos S à frente em pele e microfibra Dinamica.

Quanto à tecnologia a bordo, dispõe do sistema de navegação MMI Plus com Audi Connect Navigation & Infotainment, assim como o sistema Audi Smartphone compatível com Android Auto e Apple CarPlay.

Já segue o Aquela Máquina no Instagram?

Faltam 300 caracteres
Comentário enviado com sucesso
Utils/
Subscrever Newsletter
pub
×
Enviar artigo por email

Restam 350 caracteres

×
Para poder adicionar esta notícia aos seus favoritos deverá efectuar login. Caso não esteja registado no site de Aquela Máquina, efectue o seu registo gratuito.