Pesquisa
Ataque às 24 de Le Mans: Ferrari desvenda híbrido 499P

É um dos projectos estratégicos da Ferrari no desporto automóvel: regressar em grande estilo ao Mundial de Resistência, uma competição onde a cavallino rampante teve alguns dos seus momentos mais gloriosos.

A insígnia italiana já revelou o novo 499P, o híbrido com que irá enfrentar a Toyota, Glickenhaus, Peugeot, Porsche e Cadillac na categoria Le Mans Hypercar (LMH).

A estreia oficial aconteceu este fim-de-semana no circuito de Imola, na Finali Mondiali da Ferrari, perante 38 mil telespectadores.

Regresso após 40 anos

O Ferrari 499P é o primeiro carro oficialmente inscrito pela marca transalpina na categoria principal do Campeonato Mundial de Endurance (WEC) desde 1973.

Idealizado e desenvolvido dentro de portas, o principal objectivo está há muito definido: conquistar as 24 Horas de Le Mans.

"O desenvolvimento foi uma verdadeira corrida de resistência", explicou Antonello Coletta, responsável pelo projecto Hypercar da Ferrari. "E é também um compromisso de longo prazo para com esta competição".

Ao contrário da Porsche ou da Cadillac, a Ferrari optou pelos regulamentos da categoria LMH, o que lhe deu uma larga liberdade técnica ao projecto.

Essa opção é bem visível nas linhas muito fluidas do 499P, a começar pelos faróis LED muito delgados e pelo enorme lábio inferior.

A área lateral reforça o dinamismo do notável tratamento aerodinâmico na traseira, com uma destacada "barbatana de tubarão" e um grande extractor.

O chassis assenta numa estrutura monocasco em fibra de carbono, com o motor a apoiar-se na arquitectura do sistema motriz do Ferrari 296 GTB.

Significa uma evolução do bloco V6 de 3.0 litros, com injecção directa e num ângulo aberto de 120° mas muitos dos seus elementos foram alterados, a começar pelo turbocompressor.

Ao motor térmico está associado um propulsor eléctrico de 200 kW (272 cv) e uma bateria de 900 volt, com o primeiro a mover o eixo traseiro e o segundo as rodas dianteiras.

A potência combinada está limitada a 500 kW (680 cv), de acordo com os regulamentos da FIA, com a sua passagem às quatro rodas a fazer-se através de uma caixa sequencial de sete relações.

A Ferrari salienta, no entanto, que o V6 é completamente novo face ao que equipa o 296 GTB porque a rigidez e a potência necessárias para as provas de resistência não são as mesmas para um estradista.

Pequeno, leve e muito compacto, o bloco térmico torna-se, assim, uma vantagem para a óptima distribuição do peso e do centro de gravidade.

Ligação ao passado

Há vários elementos que ligam o Ferrari 499P ao passado e não é apenas pela designação numérica, derivada da cilindrada unitária do motor (499 centímetros cúbicos por cilindro), com a letra a significar "protótipo".

É uma combinação frequentemente utilizada pela insígnia de Maranello que marca o seu passado distante na disciplina.

O vermelho da carroçaria cortado pelas faixas amarelas atira de imediato para o Ferrari 312P com que a construtora correu pela última vez, em 1973, nas 24 Horas de Le Mans.

Dois exemplares do Ferrari 499P farão a estreia nas 1000 Milhas de Sebring, prova que irá acontecer nos Estados Unidos em Março de 2023.

A 10 e 11 de Junho será a vez das 24 Horas de Le Mans, a coincidir com o centenário da clássica prova de resistência no circuito de La Sarthe.

Já segue o Aquela Máquina no Instagram?

Faltam 300 caracteres
Comentário enviado com sucesso
Utils/
Subscrever Newsletter
pub
×
Enviar artigo por email

Restam 350 caracteres

×
Para poder adicionar esta notícia aos seus favoritos deverá efectuar login. Caso não esteja registado no site de Aquela Máquina, efectue o seu registo gratuito.