Pesquisa
Tome Nota

Açores ganha electricidade do Nissan Leaf

16:59 - 23-02-2022
 
Açores ganha electricidade do Nissan LeafAçores ganha electricidade do Nissan LeafAçores ganha electricidade do Nissan LeafAçores ganha electricidade do Nissan LeafAçores ganha electricidade do Nissan Leaf
Açores ganha electricidade do Nissan LeafAçores ganha electricidade do Nissan LeafAçores ganha electricidade do Nissan LeafAçores ganha electricidade do Nissan LeafAçores ganha electricidade do Nissan Leaf
Açores ganha electricidade do Nissan Leaf

Sete Nissan Leaf e três Nissan e-NV200 estão a "dar" 109 MWh à rede eléctrica dos Açores. A experiência faz parte do projecto-piloto V2G, traduzida de forma genérica como "Automóvel para Rede" (Vehicle to Grid).

Açores ganha electricidade do Nissan Leaf

Em análise esteve o impacto na eficiência daquela rede eléctrica, assim como nos próprios automóveis e nas emissões de gases de estufa. 

Há dois anos, Nissan, Galp e EDA decidiram aplicar o conceito na rede eléctrica de abastecimento público da ilha de São Miguel. 

Nas 90 semanas que durou o projecto V2G Açores, as baterias da frota automóvel permitiram injectar energia suficiente na rede para alimentar diariamente 32 residências. 

A tecnologia V2G, desenvolvida segundo uma lógica descentralizada de fluxos bidirecionais, habilita um "eléctrico" a ser um elo activo na gestão da rede eléctrica. 

Permite ainda regularizar a oferta e a procura, ao armazenar energia à noite – quando a produção de renováveis não tem aplicação directa – e fornecê-la à rede durante o dia. 

O principal benefício, neste campo, é poder constituir uma fonte de receita para os donos dos carros.

O carregamento da bateria pode ser feito quando o preço da energia eléctrica é mais barato, e o seu fornecimento para a rede eléctrica ou para auto-consumo nos períodos em que o seu valor é mais alto. 

Os dados obtidos corroboraram os pressupostos, com a frota equipada com baterias de 40kWh a abasteceram 198 MWh nas 90 semanas do projecto, tendo devolvido à rede 109 MWh (55%). 

Após estes resultados encorajadores, é agora necessário desenvolver um enquadramento legal que permita passar a tecnologia V2G para uma fase de mercado, e assim ser economicamente válido. 

Ao projecto-piloto juntaram-se diversos provedores de serviços e parceiros estratégicos, como a Nuvve, o INESC-TEC, a DGEG, a ERSE e o Governo dos Açores, através da Direcção Regional de Energia. 

Já segue o Aquela Máquina no Instagram?

Faltam 300 caracteres
Comentário enviado com sucesso
Utils/
Subscrever Newsletter
pub
×
Enviar artigo por email

Restam 350 caracteres

×
Para poder adicionar esta notícia aos seus favoritos deverá efectuar login. Caso não esteja registado no site de Aquela Máquina, efectue o seu registo gratuito.