Pesquisa
Super Carros

Ferrari: um V12 turbo é impensável

17:45 - 02-05-2017
  29
Ferrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensável
Ferrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensávelFerrari: um V12 turbo é impensável

Sergio Marchionne, o presidente da Ferrari, foi taxativo ao afirmar que os motores V12 da marca de Maranello "podem vir a ser híbridos, mas nunca serão sobrealimentados", terminando com várias especulações sobre as opções da marca para ultrapassar os condicionalismos de normas anti-poluição que serão muito mais restritivas a partir de 2020.

Isto equivale a dizer que o motor 6.5 V12 de 800 cv que equipa o 812 Superfast poderá vir a ser o último bloco atmosférico "à antiga". Segundo Sergio Marchionne, seria uma loucura pensar em colocar um turbo no motor V12 actual. Este bloco oferece uns impressionantes 123 cv/litro e consome em ciclo misto (de acordo com as normas em vigor) 14,9 litros/100 km, com emissões de CO2 de 340 g/km, cumprindo a normas EU6B, mas o próximo passo (EU6C) é um grande desafio para Michael Leiters, o director técnico da Ferrari.

A solução que terá de estar pronta no início da próxima década passa pela tecnologia híbrida, a única forma de responder aos novos imperativos legais. "Mas ter um automóvel um automóvel eléctrico ou híbrido não é o maior objectivo de muita gente", afirmou Sergio Marchionne.  "Por isso estamos a tentar melhorar as performances e limitar as emissões".

Mas a Ferrari não está sozinha nesta "cruzada". A Lamborghini assumiu uma postura semelhante e já não é segredo que o sucessor do Aventador, que deverá surgir lá para 2022, manterá um motor V12 atmosférico, mas não se sabe se terá algum apoio eléctrico…

 

Faltam 300 caracteres
Comentário enviado com sucesso
Utils/
Subscrever Newsletter
pub
×
Enviar artigo por email

Restam 350 caracteres

×
Para poder adicionar esta notícia aos seus favoritos deverá efectuar login. Caso não esteja registado no site de Aquela Máquina, efectue o seu registo gratuito.