Pesquisa
Emissões malditas

Emissões malditas

10:40 - 27-06-2016
6
Vários países do norte da Europa anunciaram, recentemente, a intenção de banir das suas concessões a venda de novos veículos ligeiros de passageiros com motor puramente térmico, a partir de 2030. A Noruega e a Holanda são dois desses países. O ambicioso plano holandês e o norueguês visa, para já, reduzir de forma drástica as emissões de CO2 até 90 por cento.

Agora, foi a vez de a Alemanha anunciar também que está a reflectir, por enquanto a nível federal, a proibição da venda de veículos novos como motor térmico, a partir de 2030. O governo alemão quer reduzir as emissões poluentes em 90 por cento em relação aos números de 1990, mas a meta é, ligeiramente, mais distante: 2050. E compreende-se porquê.

País construtor automóvel entre os maiores do mundo, a Alemanha precisa de muito mais tempo para atingir os seus objectivos, sobretudo quando as alternativas eléctricas, híbridas, a pilha de combustível ou de qualquer outro tipo de propulsão, são ainda insuficientes e demasiado dispendiosas para preencher o espaço dos veículos com motor térmico.

Em favor de um mundo mais respirável e da urgente necessidade de redução dos efeitos de estufa, cujos efeitos nefastos são sobejamente conhecidos, afectando no dia-a-dia a vida do planeta, temos de acreditar que será possível, no futuro, dar um sério 'golpe' nas emissões poluentes. Mas que isso aconteça já nos próximos catorze anos parece-me perfeitamente ilusório, quando, por exemplo, nos catálogos da generalidade das marcas alemãs continua a predominar a oferta de motores térmicos e de altas cilindradas. A oferta eléctrica é praticamente inexistente.

A pôr-se um fim nos Diesel e afins (térmicos), precisamos também de saber o que vai acontecer aos milhões de pessoas que trabalham na indústria automóvel e que poderão ser atiradas de um dia para o outro para o desemprego. Que mudanças, pois, na indústria automóvel e nas muitas centenas de outras unidades fabris que dela dependem; mas também em outros sectores fundamentais para a vida das pessoas como os transportes e a agricultura.

Por último, mas não menos importante, é conveniente conhecer o que vai acontecer com as baterias que armazenam a energia para os motores eléctricos quando as mesmas atingirem o fim de vida. Sabendo-se da sua toxicidade, o que vai ou está a ser feito para o seu tratamento? É que substituir emissões poluentes por lixo tóxico, dito desta forma, não é solução para ninguém.

Faltam 300 caracteres
Comentário enviado com sucesso
12:44 02-02-2017
0
0
12:20 02-12-2016
0
25
16:55 26-09-2016
0
8
×
Enviar artigo por email

Restam 350 caracteres

×
Para poder adicionar esta notícia aos seus favoritos deverá efectuar login. Caso não esteja registado no site de Aquela Máquina, efectue o seu registo gratuito.