Pesquisa
Actualidade
Pininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxo
14:57 - 19-03-2018
  72
Pininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxo
Pininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxoPininfarina quer entrar na "guerra" dos eléctricos de luxo

Casa de enorme fama no campo do "design" automóvel, porventura um dos estúdios mais famosos do Mundo, a Pininfarina tem a ambição de se tornar num construtor a tempo inteiro, pretendendo fazer concorrência a marcas como a Aston Martin ou a Rolls-Royce quando começarem a aparecer os automóveis eléctricos de luxo. E o "concept" HK GT que levou a Genebra foi a primeira declaração formal de intenções!

Foi o actual presidente da companhia, Paulo Pininfarina, a confirmar as intenções da companhia, de acordo com os novos donos, os indianos da Mahindra que compraram o estúdio italiano em 2015, salvando-o de uma situação financeira desesperada: "O sonho do meu pai era construir uma marca de automóveis e já o sonho do seu pai era fazer uma marca de automóveis. Agora o plano é tornar esse sonho realidade", disse.

O seu avô, Battista Farina, foi o décimo de onze filhos, recebendo a alcunha de "Pinin" (pequenote), vindo a fundar, em 1930, a Carrozzeria Pinin Farina, mais tarde apenas Pininfarina. A sua colaboração para o estilo dos carros da Ferrari desde o início dos anos 50, foi crucial para a notoriedade da Pininfarina (que também trabalhou para marcas como a Alfa Romeo, Fiat, Maserati, Peugeot, Rolls-Royce ou Volvo), precisamente na altura em que o seu pai, Sergio, estava a entrar na companhia, depois de se formar em Engenharia.

Mas a Pininfarina nunca deixou de ser, essencialmente, um estúdio de "design" para outras marcas, passando mais tarde a ter alguma capacidade de produção para construir modelos de nicho para os construtores seus clientes. Agora, o plano de Paulo Pininfarina é, aproveitando a saúde financeira permitida pela entrada da Mahindra, transformar a empresa num verdadeiro construtor de automóveis eléctricos de luxo.

A Pininfarina deu uma pequena amostra daquilo de que está a falar, ao exibir, no recente salão automóvel de Genebra, o "concept" HK GT, uma berlina de luxo eléctrica, embora com um ar desportivo por só dispor de duas portas "asa de gaivota", de grandes dimensões. A sigla HK deve-se a ser uma encomenda do grupo chinês Hybrid Kinetic Group, mas a Pininfarina está a reunir condições para poder produzir os seus próprios modelos, agora que tem o financiamento dos indianos, "know-how" a nível das baterias e um director de estratégia contratado à Audi.

O HK GT presente em Genebra usava quatro motores eléctricos para uma potência total de 1073 cv, velocidade máxima de 350 km/h e aceleração de 0 a 100 km/h em 2,7 s. Tinha uma bateria de 38 kWh de capacidade, o que era manifestamente pouco para alimentar tanto poderio eléctrico, mas a marca previa três possibilidades para extensor de autonomia, um motor de combustão, uma turbina ou uma pilha de combustível que funciona a hidrogénio.

Pininfarina chegou, inclusive, a apresentar o HK GT como um carro que poderia até ser usado em pista, com o ecrã central a exibir vários gráficos de telemetria, permitindo ainda alterar as afinações das suspensões. O habitáculo está, aliás, cheio de painéis digitais, incluindo um ecrã em frente ao passageiro para que possa ter a sua própria central de infoentretenimento. Para "esboço" do que pretende fazer, o HK GT é já bastante promissor!

Faltam 300 caracteres
Comentário enviado com sucesso
Subscrever Newsletter
pub
×
Enviar artigo por email

Restam 350 caracteres

×
Para poder adicionar esta notícia aos seus favoritos deverá efectuar login. Caso não esteja registado no site de Aquela Máquina, efectue o seu registo gratuito.