Pesquisa
Super Carros

Novo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar voo

22:46 - 18-12-2020
 
Novo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar vooNovo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar vooNovo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar vooNovo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar vooNovo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar vooNovo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar vooNovo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar vooNovo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar voo
Novo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar vooNovo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar vooNovo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar vooNovo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar vooNovo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar vooNovo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar vooNovo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar vooNovo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar voo
Novo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar voo

Assume-se como um dos hiper desportivos mais deslumbrantes do momento e nada como construir uma versão especial para celebrar os 60 anos da Frecce Tricolori, a maior esquadrilha de acrobacia aérea do planeta.

Novo Huayra Tricolori: um Pagani para levantar voo



Limitado a três unidades e com um preço de 5,5 milhões de euros antes de impostos, o Pagani Huayra Tricolore apresenta uma nova carroçaria directamente inspirada no avião Aermacchi MB-339A P.A.N.

Aerodinâmica é o foco

Um divisor dianteiro mais pronunciado e com um perfil aerodinâmico totalmente novo oferece uma força descendente máxima, graças ao novo pára-choques com extractores laterais projectados para maximizar a eficiência do intercooler

Também o colector é novo, para permitir um maior fluxo de ar para arrefecer o motor V12 biturbo. Atrás foi também optimizado o difusor, enquanto a nova asa ajuda a conseguir o equilíbrio aerodinâmico perfeito, ao compensar o aumento da força descendente à frente.

Curioso é o facto de os apoios da asa traseira terem um desenho em tudo semelhante à cauda dos jactos da Frecce Tricolori, exibindo os números do carro como se vê nas aeronaves. 

Original é a integração, no centro do capô, de um tubo Pitot, como nos aviões a jacto, para medir a velocidade macroscópica do ar e determinar a condição aerodinâmica do hiper carro. 

A linhagem com as cores da esquadrilha prosseguem na pintura do Huayra Tricolore, com as três cores da bandeira italiana listadas ao longo da carroçaria, conjugando-se na traseira com os farolins.

Um novo jogo de jantes em liga leve, com um desenho que lembra uma turbina a jacto, quadros em alumínio anodizado nas entradas de ar laterais, e faróis maquinados dão o remate final ao conjunto. 

"Voar" bem rente ao chão

Na estrada, a evolução mais recente do V12 biturbo da Mercedes dispara 840 cv de potência e 1.100 Nm de binário, passados ao solo por uma transmissão sequencial de sete velocidades com diferencial electromecânico. 

O chassis, construído em Carbo-Titanium e Carbo-Triax da Pagani, reforça a rigidez do Huayra Tricolore, enquanto o seu desempenho na estrada foi melhorado graças à nova geometria da suspensão, ao controlo electrónico dos amortecedores e à aerodinâmica activa. 

No interior saltam à vista as peças em alumínio maquinadas e produzidas com ligas usadas na indústria aeroespacial, enquanto os bancos estão revestidos em tons branco e azul, com detalhes de pele em branco, vermelho e verde. 

A principal diferença em relação aos Huayra "convencionais" está na instalação de um anemómetro no painel de instrumentos, ligado ao tubo Pitot, para indicar a velocidade do vento. 

E agora… é só levantar voo rente ao chão ao lados dos Aermacchi MB-339A P.A.N. da Frecce Tricolori! 

Já segue o Aquela Máquina no Instagram?

Faltam 300 caracteres
Comentário enviado com sucesso
Utils/
Subscrever Newsletter
pub
×
Enviar artigo por email

Restam 350 caracteres

×
Para poder adicionar esta notícia aos seus favoritos deverá efectuar login. Caso não esteja registado no site de Aquela Máquina, efectue o seu registo gratuito.