Pesquisa
Actualidade
Futuro da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesa
17:20 - 07-11-2017
  26
Futuro da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesa
Futuro da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesaFuturo da Opel, segundo o Grupo PSA: menos modelos e com tecnologia francesa
Desde que o Grupo PSA avançou, para surpresa de muitos, para a compra da Opel que se aguardava com enorme expectativa pelo plano que Carlos Tavares, o português que lidera o grupo francês, reservada para o construtor alemão. Esse plano estará prestes a ser revelado (fala-se em quinta-feira), mas o jornal alemão "Frankfurter Allgemeine Zeitung" avançou com o que será anunciado: em termos gerais, a Opel passará a ter menos modelos e, no geral, serão feitos recorrendo a tecnologias oriundas do Grupo PSA!

Será o presidente da Opel, Michael Lohscheller – que vemos numa das fotos, com Carlos Tavares, juntos do Insignia GSi – a anunciar as novidades que se podem resumir em vários tópicos: os modelos da Opel irão, gradualmente, à medida que vai terminando o seu tempo de vida comercial, mudando para as tecnologias usadas no grupo PSA Peugeot-Citroën; haverá menos modelos, ficando concentrados nos segmentos com maiores margens de lucro; a marca alemã entrará em mercados onde a General Motors não a queria; os custos de trabalho terão de ser reduzidos; e Rüsselsheim, o coração da Opel, será transformado num centro de competências de engenharia e, em particular, na electrificação parcial (híbridos) ou total dos automóveis.

No fundo, Carlos Tavares parece aplicar à Opel a mesma receita que aplicou na Peugeot Citroen quando ali chegou em 2014 (reduziu de 42 para 26 a oferta de modelos e passageiros) e com resultados inegavelmente positivos, apesar de algumas medidas dolorosas… e isso tem, obviamente, espalhado fortes receios entre os trabalhadores da Opel sobre o nível de cortes que este novo plano poderá implicar. Até porque Tavares disse desde o primeiro dia que um dos problemas da marca alemã é que os custos de produção dos seus carros eram muito superiores aos dos seus concorrentes…

Outro problema, segundo alguns relatórios, é que a Opel tem, actualmente, na Alemanha, mais trabalhadores em reformas antecipadas que trabalhadores no activo… Uma das medidas será o congelamento da admissão de novos trabalhadores, a não ser em casos muito pontuais e para posições estratégicas.

Se no "design" a Opel manterá total independência, em termos de grupos mecânicos (motores e caixas de velocidades) virá, aos poucos, a integrar os componentes da PSA, considerados mais eficazes no que respeita a consumos e emissões. Isso já sucede, aliás, nos novos SUV que a Opel tem vindo a lançar e já feitos em parceria com o Grupo PSA, mesmo antes do negócio da compra ser concluído. Uma coisa é certa, cada projecto terá de dar lucro, o que parece deixar o eléctrico Ampera-e em maus lençóis…

Tendo dado a volta na Peugeot Citroën, pegando numa empresa que dava 5 mil milhões de euros de prejuízos e transformando-a em três anos num grupo lucrativo, Carlos Tavares pretende fazer o mesmo na Opel, esperando pôr um fim aos prejuízos em 2019 e conseguir os primeiros lucros em 2020. "A autonomia da liderança da Opel será proporcional ao seu sucesso", comentou o português.

Entretanto, o "Frankfurter Allgemeine Zeitung" vai ao detalhe de contar que os cortes impostos por Carlos Tavares já chegaram ao ponto de se terem acabado os biscoitos nas reuniões internas da Opel e os iPhone como telemóveis de serviço! Ao mesmo tempo, os seus emissários franceses faziam questão de colocar em evidência as enormes perdas sofridas nos últimos anos e a necessidade de pôr termo à situação… É o que se chama entrar ao ataque!
Faltam 300 caracteres
Comentário enviado com sucesso
Subscrever Newsletter
pub
×
Enviar artigo por email

Restam 350 caracteres

×
Para poder adicionar esta notícia aos seus favoritos deverá efectuar login. Caso não esteja registado no site de Aquela Máquina, efectue o seu registo gratuito.