Pesquisa
Desporto
Jaguar regressa à competição em modo eléctrico
16:07 - 09-09-2016
  6
Jaguar regressa à competição em modo eléctrico
A Jaguar regressa este ano à competição. É um marco histórico para uma marca que esteve imbatível em Le Mans entre 1955 e 1957 e voltou a ganhar a clássica francesa em 1988 e 1990 nos tempos da TWR-Jaguar de Tom Walkinshaw.

O regresso passa pela aposta na Formula E (eléctrica), uma disciplina que procura afirmação e mediatismo, mas representa um grande desafio tecnológico para todos os construtores, que vêm a motorização eléctrica como uma alternativa. A Jaguar é a primeira marca Premium a envolver-se numa disciplina que vai entrar no terceiro ano de vida, apesar da Audi e da BMW estarem presentes sob a imagem de equipas semi-oficiais.

Esta fórmula utiliza chassis Dallara, baterias fornecidas pela Williams F1 e esta temporada dá alguma liberdade aos desenvolvimentos dos motores de cada marca, o que poderá justificar a parceria entre a Jaguar e Panasonic, para a criação da Panasonic Racing Jaguar, que poderá chegar a outros níveis em caso de maior liberalização dos regulamentos técnicos. Seja como for, a presença da Panasonic é a demonstração do aumento de importância da Formula E no campo tecnológico.

O chassis da Jaguar pode ser igual aos restantes (por imposição do regulamento), mas chama-se I-Type 1 e os pilotos da equipa vão ser Adam Carroll; Mitch Evans, pupilo do ex-piloto de F1 Mark Webber, e o chinês Hi-Ping Tung. Sem entrar em juízos de valor, talvez se esperassem nomes mais sonantes para apadrinhar o regresso da Jaguar à competição, tanto mais que James Barclay, o director de equipa, admitiu que "este é um campeonato para pilotos".

A temporada de 2016/2017 começa a 9 de Outubro em Hong Kong e nos testes oficiais, realizados esta semana, "o desenvolvimento do nosso carro evoluiu de forma positiva e estamos satisfeitos com os progressos realizados", admitiu James Barclay. "Queriamos percorrer muitos quilómetros para atestar a fiabilidade e os resultados foram positivos, mas temos de controlar as espectativas, porque em Hong Kong vamos ter uma corrida muito dura pela frente".

Em Gaydon, os engenheiros estão entusiasmados com o desafio tecnológico, que têm pela frente, mas há riscos importantes. Competir com a Audi, que até 2018 está escondida na sombra da equipa Abt, ou com a BMW disfarçada com as cores da Andretti é um jogo entre pares, mas perder para a Renault, para a Peugeot/Citroen ou para as várias equipas apoiadas pelo capital de marcas chineses que apostam na motorização eléctrica, tem que ser visto como um risco em termos de imagem…

Jaguar regressa à competição em modo eléctrico




Faltam 300 caracteres
Comentário enviado com sucesso
Subscrever Newsletter
pub
×
Enviar artigo por email

Restam 350 caracteres

×
Para poder adicionar esta notícia aos seus favoritos deverá efectuar login. Caso não esteja registado no site de Aquela Máquina, efectue o seu registo gratuito.